camara corona

"Não acredito que vacina chinesa transmita segurança pela sua origem", diz Bolsonaro

Por Redação em 22/10/2020 às 10:40:51

Na entrevista de quarta, foram novas críticas ao projeto e ao país asiático, com o argumento de que o veto teria sido motivado pela origem chinesa da farmacêutica. "Da China nós não comparemos, é decisão minha. Eu não acredito que ela [vacina] transmita segurança suficiente para a população pela sua origem", declarou o presidente.

Questionado sobre os motivos que levaram à decisão de barrar a compra da Coronavac, Bolsonaro responsabilizou novamente a China e disse que era uma questão de credibilidade.

"Acredito que teremos a vacina de outros países, até mesmo a nossa, que vai transmitir confiança para a população. A da China, lamentavelmente, já existe um descrédito muito grande por parte da população, até porque, como muitos dizem, esse vírus teria nascido lá", declarou.

Ao se referir a uma origem chinesa do vírus, Bolsonaro faz eco à ala mais ideológica de seus apoiadores, que responsabilizam Pequim pelo que consideram a pandemia de um "vírus chinês". O mesmo termo também é usado com frequência pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

"Tenho certeza que outras vacinas que estão em estudo poderão ser comprovadas cientificamente. Não sei quando, pode durar anos inclusive. E nós também estamos trabalhando com o Butantan para conseguir a vacina", acrescentou o presidente.

Apesar da fala, o Butantan no momento mantém parceria apenas com a Sinovac para o desenvolvimento de uma vacina contra o coronavírus. Pelo acordo com a farmacêutica chinesa, parte das doses são desenvolvidas inteiramente na China, enquanto que o restante será produzido no instituto paulista, como parte de protocolos de transferência de tecnologia.

Quando anunciou o acordo para a aquisição de doses da Coronavac, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que "a vacina do Butantan será a vacina do Brasil"

"O Butantan já é o grande fabricante de vacinas para o Ministério da Saúde, produz 75% das vacinas que nós compramos", acrescentou o ministro na ocasião.

Bolsonaro desautorizou o chefe da Saúde na manhã de quarta, usou a palavra "traição" para o caso e disse que o governo não comprará o que chamou de "vacina chinesa".

"Tudo será esclarecido hoje. Tenha certeza, não compraremos vacina chinesa. Bom dia", respondeu Bolsonaro nas redes sociais a uma simpatizante.

"Para o meu governo, qualquer vacina, antes de ser disponibilizada à população, deverá ser comprovada cientificamente pelo Ministério da Saúde e certificada pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária]", escreveu, em outra mensagem, nas redes sociais.

Em nota divulgada na terça (20), o Ministério da Saúde chegou a informar que, com a parceria com São Paulo, o Brasil chegaria a ter 186 milhões de doses de vacinas a serem disponibilizadas ainda no primeiro semestre de 2021, já a partir de janeiro.

O total considera as 46 milhões de doses do Butantan e Sinovac, além de contratos já existentes no governo para obter 140 milhões de doses -100 milhões da vacina da Universidade de Oxford e 40 milhões do mecanismo Covax Facility, liderado pela OMS (Organização Mundial de Saúde). Mas o ministério voltou atrás após o veto de Bolsonaro.

Citando uma "interpretação equivocada" da fala de Pazuello, a pasta negou compromisso para compra de vacinas com o governo de São Paulo "ou seu governador" e disse não ter "intenção de compra de vacinas chinesas".Em seguida, no entanto, reafirmou ter um protocolo de intenções para compra de uma possível "vacina brasileira" com o Instituto Butantan, que é vinculado ao governo paulista.

Publicado primeiro em Banda B » "Não acredito que vacina chinesa transmita segurança pela sua origem", diz Bolsonaro

Comentários